Campanha "No Dique, gente é para brilhar!

E não para morrer de fome" foi um sucesso. 

A campanha de arrecadação de cestas básicas do Instituto Arte no Dique superou a sua meta inicial: foram doadas à instituição 1478 cestas básicas, superando em quase 50% o objetivo original. Assim, cerca de 6 mil pessoas que residem no Dique da Vila Gilda, em Santos, onde está a maior favela sobre palafitas do Brasil, poderão ser ajudadas. Na região, 26 mil pessoas vivem sobre palafitas.

Pessoas e empresas interessadas podem contribuir diretamente com depósitos ou transferências para a conta Banco do Brasil, agência 6698-2, conta corrente 12.905-4, CNPJ - 07.269.609/0001-00. Quem preferir, pode entregar cestas básicas diretamente na sede do instituto à Rua Brigadeiro Faria Lima, 1349, Rádio Clube.

"Temos informado, avisado, debatido essa questão há mais de um ano, desde que a pandemia foi divulgada pela OMS. Sabíamos que nas comunidades vulneráveis os problemas seriam muito mais profundos, complexos, pois há famílias de cinco, seis, dez pessoas que dividem espaços pequenos, com poucos cômodos ou um somente. E com a necessidade de distanciamento social, pequenos comércios fechando, os moradores do Dique seriam extremamente afetados e, não tardaria, teriam dificuldade em ter o que comer. Não vemos uma preocupação por parte do governo federal com as comunidades vulneráveis e não podemos ficar sem tentar fazer algo. Pedimos, a quem puder, que se sensibilize e ajude de alguma forma. Um mundo onde pessoas não têm o que comer é um mundo que não deu certo. Agradecemos a quem doou mas não podemos parar, pois há muitas pessoas ainda em dificuldade", ressalta o presidente do Instituto Arte no Dique, José Virgílio Leal de Figueiredo.